Prezados é com prazer que anuncio que minha proposta de minicurso intitulado “Introdução à Epistemologia Genética de Jean Piaget” foi aceita no XI SEPECH – Seminário de Pesquisa em Ciências Humanas da Universidade Estadual de Londrina – UEL.

O XI SEPECH acontecerá de 27 a 29 de julho de 2016 e espero poder contar com todos os interessados na Epistemologia Genética de Piaget.

O propósito do curso é:

Apresentar como, na Epistemologia Genética de Jean Piaget, sãoconstruídas as estruturas necessárias à aquisição do conhecimento, partindo de um sujeito inexistente, para si mesmo, bem como da inexistência dos objetos, para esse sujeito, em direção a um sujeito consciente de si e do real que o cerca e sua
influência.

Abaixo imagem da carta de aceite que recebi da comissão organizadora do evento.

AceiteXISEPECH

É com imensa satisfação que informamos que estão abertas as inscrições para o

III Colóquio Internacional de Epistemologia
e Psicologia Genéticas: Retrospectivas e Perspectivas

O III Colóquio será realizado no período de 17 a 20 de novembro de 2013, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa. O objetivo do Colóquio é a disseminação da epistemologia e psicologia genéticas nas áreas da psicologia, filosofia e educação.

Nesta edição, o III Colóquio é uma iniciativa conjunta de três grupos de estudos e pesquisa:

  1. Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento Sociomoral – NPDSM, UFPB, João Pessoa-PB;
  2. Grupo de Estudos e Pesquisas de Epistemologia Genética e Educação – GEPEGE, UNESP, Marília-SP e
  3. Grupo de Estudos e Pesquisa em Epistemologia Genética da Região Amazônica – GEPEGRA, Porto Velho-RO.

É a primeira vez que o Colóquio está ocorrendo fora do Estado de São Paulo. Ao se tornar itinerante, o Colóquio visa proporcionar um espaço para discussão e disseminação da epistemologia e psicologia genéticas garantindo maior participação de pesquisadores e estudantes de regiões não contempladas nas edições anteriores.

Além dos convidados nacionais, o evento contará com a participação de convidados da França, Espanha e Peru. A maioria dos pesquisadores convidados já respondeu aceitando o convite. O conjunto das palestras visa atingir os objetivos de integração e debate construtivo acerca de tópicos essenciais da teoria piagetiana. A programação visa estimular a discussão e o aprofundamento em temas específicos da Epistemologia Genética e suas interfaces.

A vida é cíclica! Os gregos tinham isso em sua cultura. Nietzsche retoma essa compreensão de mundo dos gregos do eterno retorno e lhe dá uma roupagem mais contemporânea, mas é sempre a ideia de ciclos, de encerramentos e recomeços.

Terminei um ciclo. Meu projeto de pesquisa “O Grupo Prático de Deslocamentos e a Constituição das Noções de Espaço Objetivo e Objeto Permanente” findou-se. Deu-me bons frutos os três anos em que nele trabalhei. Sim, foram três anos de trabalho intenso. Programado, primeiramente, para ser realizado em dois anos, mas houve um pedido aprovado de prorrogarmos por mais um ano.

Foi de grande produtividade esse período. Pudemos realizar, como atividade do projeto, o I Congresso de Epistemologia Genética da Região Amazônica. Além, claro de participarmos de vários eventos nacionais e até um internacional (na Argentina) nos quais apresentamos os resultados de nossas pesquisas.

Mas esse ciclo se fechou. Contudo um novo ciclo se abre! Novo projeto está em tramite de aprovação. Intitulado “O Conhecimento enquanto problema da Epistemologia Genética”, no qual temos a intenção de continuar nossas investigações sobre a gênese e desenvolvimento do aparato cognitivo e dos conhecimentos, principalmente com quatro noções que são muito caras à Epistemologia, são eles: Espaço, Tempo, Causalidade e Substância.

Serão novos desafios. Dentre eles a institucionalização do GEPEGRA – Grupo de Estudos e Pesquisa em Epistemologia Genética da Região Amazônica, que já estava delineado no projeto que se findou, mas que vem com força para, finalmente, ser uma realidade em nossa UNIR.

Estamos, também, com o firme propósito de realizarmos o II Congresso de Epistemologia Genética da Região Amazônica, que acontecerá no período de 17 a 19 de outubro próximos.

Além, claro, dos desafios enormes da orientação em Iniciação Científica de todos os discentes envolvidos no GEPEGRA e, principalmente, da bolsista PIBIC/CNPq/UNIR que, também, fecha um ciclo e abre-se a um novo, pois estamos propondo a prorrogação da bolsa por mais um ano.

Enfim, muito trabalho pela frente, mas nada é mais gostoso do que estar envolvido em um trabalho que nos dá prazer em realizá-lo. Um ciclo se fecha, outro se abre, é a vida que continua e os horizontes se ampliando!!

Aproveito esse espaço para divulgar uma publicação minha realizada nos Anais do II Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas.

O artigo que disponibilizo aqui é fruto do trabalho para elabroação da minha Dissertação de Mestrado ― “O Esquema de Ação e a Constituição do Sujeito Epistêmico: Contribuições da Epistemologia Genética à Teoria do Conhecimento”, sob a orientação do Prof. Dr. Ricardo Pereira Tassinari (co-autor do artigo), no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UNESP, defendida em 2009, bem como das pesquisas realizadas junto ao GEPEGE – Grupo de Estudos e Pesquisa em Epistemologia Genética e Educação da UNESP e de pesquisas junto ao GEPEGRA – Grupo de Estudos e Pesquisa em Epistemologia Genética da Região Amazônica da Fundação Universidade Federal de Rondônia – UNIR, numa continuidade das pesquisas em Epistemologia Genética à qual ambos os autores têm se dedicado.

Neste artigo, temos como objetivo descrever e explicar o que é o modelo Grupo Prático de Deslocamentos, introduzido por Piaget em 1937 na obra “La construction du réel chez l’enfant” (Neuchâtel, Paris: Delachaux et Niestlé).

Para tanto, introduzimos a notação matemática para descrevê-lo, damos o significado dessa notação em termos dos comportamentos da criança e explicitamos a estrutura matemática de grupo subjacente ao modelo.

Palavras-Chaves: Grupo; Grupo Prático de Deslocamentos; Construção do Espaço

Para aqueles que queriam se aprofundar ainda mais na Epistemologia Genética, acessem o artigo na íntegra

Em reunião realizada às 17h30min do dia 10 de Novembro de 2011, na sala Terra Brasilis do Quality Hotel Sun Valey, na cidade de Marília-SP, por ocasião do II Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas, fundamos, na presença de pesquisadores e representantes de grupos de pesquisa do Brasil, a Sociedade Brasileira Jean Piaget (SBJP).

A criação da SBJP se dá por compreender-se a importância de uma Sociedade que tenha como um de seus objetivos principais a valorização do pensamento piagetiano no Brasil.

Como parte do projeto de institucionalização da SBJP, dar-se-á a concretização jurídica da Sociedade, que terá sede na cidade de Marília.

Foi, também, eleita a primeira diretoria formada por: Presidente: Adrián Oscar Dongo Montoya, Vice-Presidente: Ricardo Pereira Tassinari, 1º Secretário: Julio Rique Neto, 2º Secretário: Vicente Eduardo Ribeiro Marçal, 1º Tesoureiro: Cleonice P. S. Carmino e 2º Tesoureiro: Rafael dos Reis Ferreira, que trabalhará em conjunto para dar estrutura e funcionalidade à SBJP.

Diretoria da Sociedade Brasileira Jean Piaget

Foto da Diretoria da Sociedade, da esquerda para a direita: Rafael dos Reis Ferreira (2º Tesoureiro), Ricardo Pereira Tassinari (Vice-Presidente), Adrián Oscar Dongo Montoya (Presidente), Julio Rique Neto (1º Secretário), Cleonice P. S. Carmino (1ª Tesoureira) e Vicente Eduardo Ribeiro Marçal (2º Secretário).

Participei, no período de 7 a 11 de Novembro de 2011, como conferencista do II Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas: Interlocuções e Debates Atuais, realizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Epistemologia Genética da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista – UNESP, Marília-SP.

Professores Vicente Marçal e Ricardo Tassinari ministrando minicurso

Na oportunidade ministrei o minicurso “O uso de modelos lógico-matemáticos na Epistemologia Genética: Uma introdução acessível” em conjunto com o Prof. Dr. Ricardo Pereira Tassinari (da FFC-UNESP), pesquisador com quem tenho trabalhado nas pesquisas em Epistemologia Genética. Além do minicurso apresentei a comunicação intitulada “Sobre o Modelo Grupo Prático de Deslocamentos em Psicologia e Epistemologia Genéticas”, fruto de meus trabalhos de pesquisa junto ao Departamento de Filosofia da Fundação Universidade Federal de Rondônia sendo, também, coordenador da mesa de apresentação de trabalhos de comunicação.

Capa do livro Jean Piaget no século vinte e um

Durante o II Colóquio ocorreu, também, o lançamento do livro “Jean Piaget no Século XXI: Escritos de Epistemologia e Psicologia Genéticas”, no qual sou um dos organizadores. O livro traz os textos provenientes das conferências e mesas redondas que aconteceram no I Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas: Atualidade da Obra de Jean Piaget, realizado no período de 08 a 11 de setembro de 2009, que teve o objetivo de promover o encontro de pesquisadores nacionais e estrangeiros, bem como de grupos de pesquisa brasileiros, que se dedicam ao estudo da obra de Jean Piaget. Destacando-se a importância não só do I Colóquio, mas do livro como resultado de tão árdua tarefa, pelo contexto em que se encontra a pesquisa com fundamento na teoria de Jean Piaget no Brasil. Sendo o livro um marco para a divulgação e repercussão dessas pesquisas, não só no Brasil como no mundo.

 

O Prof. Ms. Vicente Eduardo Ribeiro Marçal, do Departamento de Filosofia da UNIR, apresentará nos dias 12 a 16 de Setembro de 2011 comunicação intitulada “Corpo, Cérebro e Ambiente: Um Sistema Complexo da Consciência na Teoria de Piaget” no III Encontro de Egressos e Estudantes de Filosofia da Universidade Estadual de Londrina. O trabalho é fruto das pesquisas realizadas pelo professor e versa sobre a importância de entendermos o Corpo e o cérebro como uma única e mesma coisa e não separados tendo no cérebro o único responsável pelas manifestações conscientes. Contrapondo, dessa forma, a clássica argumentação da Ciência Cognitiva tradicional que considera o Cérebro como o centro dos estados de consciência e de toda manifestação consciente. Dessa forma, a busca por descrever a mente a partir das atividades cerebrais, feita pela Ciência Cognitiva, desconsiderou dois simples detalhes que fazem toda a diferença para a compreensão de um sistema complexo como a consciência e seus estados de consciência: o Corpo e o Ambiente. Assim, propõe a importância do
Ambiente na construção da Consciência, conjuntamente com o Corpo e o Cérebro, tendo como ponto de partida a Epistemologia Genética de Jean Piaget.

 

Fonte: Site da UNIR

O II Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas, que será realizado nos dias 07 a 10 de novembro de 2011 no Hotel Sun Valley Park e na Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, em Marília, teve sua primeira edição em setembro de 2009, organizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisas de Epistemologia Genética e Educação – GEPEGE.

A participação de destacados pesquisadores nacionais e estrangeiros, a qualidade dos trabalhos apresentados e o interesse do público alvo mostraram a importância de investirmos na periodicidade bianual de um evento dessa natureza.

Como resultado do Colóquio de 2009, foi publicado o Anais com textos completos, e estão sendo editados dois trabalhos: um livro com textos das conferências ministradas pelos convidados e um artigo sobre os grupos de pesquisa no Brasil que tenham como referência a teoria de Jean Piaget.

O tema que norteará o “II Colóquio Internacional de Epistemologia e Psicologia Genéticas: interlocuções e debates atuais” ser á: “O sujeito do conhecimento na Ciência e na Filosofia”. Temos o aceite de vários pesquisadores do Brasil e de outros países visando atingir os objetivos de integração e debate construtivo acerca de tópicos essenciais da teoria piagetiana.

PÚBLICO ALVO

  • Pesquisadores e estudiosos interessados na obra de Jean Piaget
  • Estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais ligados aos
  • cursos de Psicologia, Filosofia, Educação e áreas afins
  • Professores da Educação Básica

ENVIO DE TRABALHOS [normas completas no site do evento]

  • data limite para inscrição de trabalhos: 15 de junho de 2011
  • divulgação do resultado final do parecer em relação aos trabalhos submetidos à comissão científica: 30 de agosto de 2011
  • acesse o site do evento e confira as normas completas:

http://www.fundepe.com/coloquiopiaget2011/

LOCAL DE REALIZAÇÃO

Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP – Campus de Marília/SP
Av. Hygino Muzzi Filho, 737 – Marília/SP
CEP: 17525-900
Fone: (55-14) 3402-1371
www.marilia.unesp.br

Quality Hotel & Convention Center – Hotel Sun Valley Park – Marília
Rua Aimorés, 501, Salgado Filho – Marília/SP
CEP: 17506-276
Fone: (55-14) 3402-9092 – Fax (55-14) 3402-9096
www.atlanticahotels.com.br

Segue, abaixo, a Programação do CEGRA. Ressaltamos que essa programação está, ainda, sujeita a alterações até o início do Congresso.

27/04
14h as 18h30min Credenciamento
19h Abertura
19h30min Palestra:  “Contribuições da Epistemologia Genética à Prática Docente” – Prof. Dr. Adrián Oscar Dongo Montoya – UNESP – Marília-SP
28/04
9h as 12h Minicurso “Aprendizagem e Desenvolvimento na Teoria de Jean Piaget” – Prof. Dr. Adrián Oscar Dongo Montoya – UNESP – Marília-SP
14h as 17h30min Minicurso “Aprendizagem e Desenvolvimento na Teoria de Jean Piaget” – Prof. Dr. Adrián Oscar Dongo Montoya – UNESP – Marília-SP
19h30min Palestra “Conhecer o Homem para Educar: Uma Visão Epistemológico-Genética” – Prof. Dr. Ricardo Pereira Tassinari – UNESP – MaríliaSP
29/04
9h as 12h Comunicações Orais
14h as 17h30min Comunicações Orais
19h30min Palestra com Prof. Dr. Fernando Becker – UFRGS – Porto Alegre-RS

A proposta construtivista, baseada na Epistemologia Genética de Jean Piaget, não vê a linguagem como a grande reveladora da Lógica e, consequentemente, da Inteligência. Mas, a partir das pesquisas e análises do comportamento infantil, feitas por Piaget, permitiram-no constatar a existência, não consciente para a criança, de uma estrutura lógica subjacente às suas ações, cujo desenvolvimento culminará na estrutura, propriamente dita, do pensamento e da linguagem.
A ação passa a ocupar, então, o centro das pesquisas e análises de Piaget, que a considera como fundamento da inteligência. É devido à importância da ação na constituição das estruturas necessárias ao conhecimento, que o Construtivismo entende ser relevante a compreensão da ação e suas relações com o processo de aquisição do conhecimento.

Para entendermos essa importância da ação, exploraremos, neste artigo, as noções da Epistemologia Genética que fundamentam a ação, afinal desde o nascimento há conduta, no sentido da ação total do indivíduo, e não somente um colocar em jogo automatismos particulares. Assim, fazemos por entender que a ação, no Construtivismo, implica o conhecimento não como cópia do real, mas, sim, num agir sobre o próprio real, transformando-o. De tal forma que exprime o fato de todo conhecimento estar ligado a uma ação e que conhecer um objeto ou fenômeno é utilizá-los, assimilando-os aos esquemas de ação do sujeito.

Continuar lendo