Arte e Filosofia

Hoje me permitirei divagar
Dando asas às minhas emoções
Pelos caminhos oníricos seguir

Hoje me permitirei não pensar
Deixando fluir a libido
Pulsando a vida que em meu peito arde

Hoje me permiterei ser arte
Arte que vislumbra a verdade
No jogo eterno da mímesis

Hoje simplesmente me permitirei
Viver, cantar, dançar, lembrar
Que na razão forte de todo mestre
Bate um coração vivo que na arte florece

1 comentário

  1. já disse q literatura é perigosa…
    mesmo tentando manter a razão… ela está camuflada..

    e te chamando:vem "Viver, cantar, dançar, lembrar
    Que na razão forte de todo mestre
    Bate um coração vivo que na arte florece."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *