Para compreender o comportamento humano, a partir dos estados mentais, são utilizadas muitas terminologias, tais como: psicologia da crença-desejo, psicologia do senso comum; mas a consagrada pela literatura especializada é a Folk Psychology, ou numa tradução um tanto grosseira: Psicologia Popular.

Segundo a Enciclopédia das Ciências Cognitivas do Instituto Tecnológico de Massachusetts, Folk Psychology é uma psicologia do senso comum que procura explicar o comportamento humano em termos de crenças, desejos, intenções, ou seja, em termos de estados mentais.

O pesquisador da Universidade de Nijmegen, Holanda, Prof. Willem F. G. Haselager nos diz que, a Folk Psychology é caracterizada pelo uso de um vocabulário em que conceitos mentais como “crença”, “desejo” etc., são utilizados grandemente, de modo que podemos compreendê-la como uma busca por descrever o comportamento humano a partir de um vocabulário próprio que tem nas expressões ligadas aos estados mentais suas grandes representantes.

Assim, a Folk Psychology adota os conceitos provenientes dos estados mentais de conteúdo proposicional e, portanto, possibilita que os mesmos sejam passíveis de avaliação semântica, além do fato de terem o poder causal, ou seja, a capacidade de um estado mental ser a causa de um comportamento específico, como, por exemplo, as chamadas doenças psicosomáticas.

Desse modo, compreendida a Folk Psychology, nos dá quatro características centrais para os estados mentais, a saber:

  1. Os estados mentais têm conteúdo;
  2. Os estados mentais podem nos levar a diferentes atitudes em relação ao seu conteúdo;
  3. Os estados mentais desempenham um papel explicativo na Folk Psychology
  4. Os estados mentais são funcionalmente distintos.

Contudo, existem teóricos que rechaçam a Folk Psychology, e defendem a necessidade da elminação de sua terminologia para que tenhamos um vocabulário mais apropriado para a descrição do comportamento humano, pois o vocabulário originado dos estados mentais não possui uma existência real e, por outro lado, a neurofisiologia contemporânea mostra que não há estados intencionais desse tipo, mas somente neurônios, sinapses, ou seja, configurações materiais no cérebro.

O que nos leva a concluir que não existe nenhuma possibilidade de conciliação implicando na eliminação do vocuabulário mentalista ao se fazer ciência cognitiva ou filosofia da mente.

Popularmente não há problemas em se utilizar do vocabulŕio mentalista para se referir a estados mentais, mas é interessante sabermos que muitas vezes quando falamos que uma pessoa tem medo do escuro estamos utilizando um vocabulário impróprio para a descrição de tal comportamento.

É, nem tudo que é bom é para sempre, na verdade a grande maioria das coisas boas da vida são efemeras.

O XIII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, na minha avaliação, foi um sucesso. Foram momentos de rica troca de conhecimentos com as comunicações, mini-cursos e plenários e, mais rico ainda, o intercâmbio que se deu nos momentos informais como almoços, caminhadas, conversas de corredor, enfim, contatos em geral.

Saldo mais que positivo e desafio para a nova diretoria para o próximo, pois quanto melhor é um evento mais desafios tem a organização para trabalhar e fazer um evento ainda melhor.

Canela-RS respirou filosofia intensamente por uma semana. Nos bares, restaurantes, lanchonetes, etc. Em todos os lugares havia grupos de filósofos conversando sobre seus trabalhos de pesquisa a ponto de ter ouvido o seguinte comentário de um dono de lanchonete: “Bah! Vocês estão revolucionando Canela, afinal agora sirvo mesas em que o papo é de um nível totalmente diferente do que estamos acostumados”…

Que realmente a filosofia promova essa revolução no pensar e na maneira de ver o mundo das pessoas que estão à nossa volta. E que tenhamos, cada vez mais, cidadãos e cidadãs críticos e esclarecidos que contribuam para uma sociedade mais justa.

Sigamos em frente, pois a vida volta ao normal!!!

Está sendo bem complicado manter o diário de bordo como eu gostaria. As atividades são intensas e quando chego ao quarto do hotel estou realmente exausto!

O mini-curso “Racionalidade Científica” está muito interessante. Temos trocado experiências com professores de alto nível e, ao que tudo indica, vou aderir ao GT de Filosofia da Ciência, mas não é certo ainda, vamos ver….

Ontém (08/10) foi minha apresentação, uma comunicação intitulada: Contribuições da Epistemologia Genética à Teoria do Conhecimento. Confesso que me surpreendi com a audiência da mesma. Professores de renome estavam presentes e isso contribuiu não só para um debate muito bom como para que meu nervosismo fosse exagerado….

No mais a cidade é muito agradável, contudo está fazendo muito frio, muito mais que o esperado. Tivemos uma noite com chuva, na qual a temperatura chegou à 4º e não muda muito durante o dia não.

Bem pessoal, por hoje é só ….

Chegamos, ontem (06/10) às 16h30min, após 17h de viagem.

A recepção foi calorosa e tive, já, a oportunidade de rever alguns colegas da graduação que estão em outros programas, bem como professores da graduação.

Estamos com mais de 1400 filósofos reunidos. Isso é engraçado, pois até a governadora do estado do RS que esteve na solenidade de abertura se perguntou: “O que tantos filósofos teriam para discutir em uma semana de evento?”.

Realmente, não deixa de ser engraçado, já que a visão que todos tem dos filósofos é daquele sujeito que vive no mundo da lua e, portanto, corre sérios riscos de cair num buraco (parafraseando um antigo sofista hehehe)

Aqui faz frio, mas só à noite. Agora pela manhã a temperatura é agradável! Tendendo a esquentar um pouco mais à tarde, mas ontem à noite chegou à 9ºC!

Daqui a pouco, às 10h30min, começa meu mini-curso: Racionalidade Científica, ai posto alguma coisa mais acadêmica por aqui!!!

Abraços!

Amanhã, 06/10, inicia o XIII Encontro Nacional da ANPOF, como já disse em post anterior, e hoje, domingo de eleição, estamos chegando à Marília para nos reunir com os demais colegas do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UNESP/Marília, pois vamos todos de ônibus cedido pela faculdade, isso porque, como todo estudante brasileiro, estamos enfrentando as dificuldades da falta de recursos.

Será uma viagem de mais ou menos 16h, o que se houvesse recursos poderia sem bem melhor, mas vamos lá… o importante é fazer o que é preciso para construir a nossa vida acadêmica.
Segundo o Climatempo, a serra gaucha nos espera com um friozinho pra lá de aconchegante. Nada como um clima agradável (que sempre pode ser acompanhado de um bom vinho 😉 para propciar uma excelente a reflexão filosófica.
Serão dias de intensa troca, reflexão e confraternização. Nada melhor para a produção acadêmico-filosófica!!!
Amanhã posatarei sobre como foi a viagem, a chegada, a recepção é a abertura do evento!!!

Acontecerá de 6 à 10 de Outubro de 2008 o XIII Encontro Nacional da ANPOF (Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia).

Durante o evento ocorrerão diversas atividades, desde mini-cursos à plenárias e eleição da nova diretoria da ANPOF.

Serão apresentadas mais de mil comunicações por professores e estudantes de pós-graduação em Filosofia de todo o país. Será uma semana de intensa produtividade acadêmica, como tem sido tradicionalmente nos encontros da ANPOF.

Apresentarei a comunicação intitulada: Contribuições da Epistemologia Genética à Teoria do Conhecimento, cujo resumo da mesma (que será publicado nos Anais do evento) posto abaixo.

Resumo:

Kant, na Crítica da Razão Pura, entende existir uma estrutura a priori subjacente ao sujeito epistêmico que possibilita o conhecimento. Piaget, a partir de experimentos em Psicologia e reflexões epistemológicas, também chega à conclusão, pondo-se de acordo com Kant, que o fenômeno é sempre mediado por uma forma que estrutura a experiência do sujeito epistêmico. Contudo, em Piaget, essa forma se constitui de sistemas de esquemas de ação (schèmes d’action, no original, em Francês). Esses sistemas de esquemas de ação medeiam então a singularidade de cada ação com a universalidade do Conhecimento. Segundo os dados psicológicos e as análises epistemológicas, temos ainda que esses sistemas de esquemas de ação se complexificam, e, assim, a estrutura necessária à apreensão dos fenômenos se constrói. O objetivo de nossa comunicação é analisar a herança kantiana na teoria de Jean Piaget e mostrar algumas contribuições da sua Epistemologia Genética ao debate atual em Teoria do Conhecimento; em particular que ela permite incorporar em sua reflexão dados atuais da Psicologia sem ainda se confundir com esta.

Durante o evento postarei minhas experiências e vivências nesse grande evento.